Review: Supergirl 4×22 – “The Quest for Peace” [Season Finale]

Atenção: a resenha abaixo contém spoilers de “The Quest for Peace”, exibido no dia 19/05/2019.

Em busca da paz, vemos Supergirl conquistar quase tudo que queria e o finale nos dá um gancho previsível, doloroso e misterioso para a próxima temporada. São muitas emoções.

Começando do começo, vemos como Lex derrotou a Kaznia e se tornou o herói da Terra, já que pegamos o bonde andando no episódio passado. Como faria mais sentido, vemos Lex combatendo mísseis, salvando pessoas e traindo Red, já que ela achava que ele iria ajudar no ataque e não o contrário.

Apesar de aparecer morta na televisão, fiquei feliz em acertar que Red não estava morta de verdade. Os planos de Lex nunca seriam tão simplistas, ainda mais com uma fonte de energia tão rica quanto Red. Se não estava claro antes, Lex está usando o poder dos alienígenas que capturou como fonte de energia, quase baterias empilhadas em uma galpão.

A coisa toda é bem estranha, ainda mais quando Lex decide contar o primeiro passo dessa nova indústria: usará a energia dos aliens para atacar Argo City e matar Superman. O que eu queria saber mesmo é como ele (e a Lena) sabe onde Clark está? Superman saiu avisando por aí? Contou para o presidente talvez? Mas como a Lena sabe?

De qualquer forma, Lena se opõe fielmente ao plano e, por incrível que pareça, sua mãe também. Apesar de todos os conflitos que as duas tiveram e mesmo que a situação envolvesse filicídio, não pude deixar de apreciar esse momento de verdadeira conexão entre mãe e filha.

As duas, no entanto, não podem fazer muito a não ser enrolar. Quem vai à luta é Supergirl e seu time. Quando Nia e J’onn descobrem para onde foram levados, eles precisavam criar uma pequena revolução para desbloquear seus poderes e mandar uma mensagem para Brainy, que continua babaca infelizmente.

O plano não só podia ter dado bastante errado como Nia se astroprojetou de maneira invisível e poderia não ter conseguido repassar a localização a tempo. Felizmente, tudo deu certo, mas Brainy leva um golpe de Nia depois das burradas que fez – o que achei justíssimo.

Apesar de separados do resto, o papel de Nia e J’onn é tão importante quanto o de qualquer um. Talvez até mais. Estando na sala de controle do ataque que destruiria Argo, a dupla faz algo “sem sentido”, segundo Brainy, e usam suas energias para sobrecarregar o sistema.

Honestamente, achei que isso significaria que o lugar inteiro iria explodir ou algo assim, mas parece que não. O efeito dramático serve então para outra coisa: fazer Brainy se reconfigurar a seu eu antigo. Ver duas pessoas tão importantes em sua vida se sacrificando o faz voltar e, de maneira cômica, ficar torcendo para os dois conseguirem (ao invés de, sei lá, ajudar).

Por fim, uma cena dessas não poderia faltar o que Brainy estava esperando para fazer a um tempo, dizer que ama Nia, o que deixou a cena ainda mais vitoriosa. Bem vindo de volta, Brainy.

Quem volta também, mas só do seu esconderijo mesmo, é Ben. Ele, que quase foi morto por Lex umas duas vezes, aparece lá procurando pelo vilão e os aliens. Por um momento até achei que ele poderia juntar a Alex, James e Supergirl na luta contra Lex, mas a quem eu estava enganando?

Todos lutam e podemos ver pela primeira vez um confronto físico entre Supergirl e Lockwood no modo clássico heroína-vilão. A coisa está indo bem para Kara, mesmo com Lockwood se injetando sei lá quantos Harun-els, mas ela acaba indo atrás de Lex.

É assim que, em uma série de harmonia e sincronização, vemos vilões e heróis batalhando de maneira incrível. De um lado, James e Ben testam seus poderes recém-adquiridos um no outro até que os dois, por ironia do destino, se dão os antídotos que precisavam para cessar os poderes e ficaram saudáveis. Com direito a Alex nocautear Ben, claro.

De outro lado, temos uma dança perigosa entre Kara e Lex, até que Red aparece para salvar Kara de um ataque fatal Luthor. O curto reencontro das duas faz com que o papel de Red finalmente seja cumprido e ela possa voltar a se unir com Kara, revelando que agora concorda com Supergirl.

Foi muito bonito ver as duas, ainda mais quando Lex tinha tudo para destrui-las. É assim que, unidas, elas destroem o uniforme de Lex, o que faz ele cair do céu, literalmente e não no bom sentido. Mesmo com a micro tentativa de salvá-lo, Kara não precisa se culpar porque é Lena que acaba matando Lex.

Ela encontra o irmão quando ele se teletransporta para seu esconderijo e logo atira nele. Fiquei surpresa. Não tanto com Lena, mas com o fato de que a série iria tirar Lex da série de maneira tão definitiva. Poderiam ter se assegurado que, dessa vez, Lex não tivesse conexões na sua nova prisão, sei lá.

O pior de tudo, no entanto, nem é isso. Lex não poderia morrer sem destruir uma parte da vida de Lena e essa parte é Kara. Como estava ficando cada vez mais claro, Lena descobriu o segredo de Kara e não foi através da amiga, o que faz o que já era ruim, bem pior.

Como sempre, as séries adoram reutilizar imagens e cenas que não fazem sentido os personagens terem, mas é assim que Lex consegue sua prova da mentira de Kara para convencer a irmã. E Lena fica destruída. E só quero abraça-la e falar que vai ficar tudo bem. Kara vai te contar logo, aguenta aí.

Como se fosse vidente, Kara menciona mais uma vez, agora para Alex, que vai contar a verdade para Lena e, mais uma vez, decide adiar. Queria muito que ela, pelo menos, fosse a primeira a trazer ao invés de Lena na próxima conversa entre elas, mas até parece que vai fazer diferença. Apesar de continuar a interagir com os amigos, Lena não está nada bem e não sei o que isso pode significar para as futuras decisões dela.

Por enquanto, o mundo está menos odioso. Infelizmente, o preconceito não pode ser derrotado como se derrota um vilão, é um processo. Espero que a série continue a abordar isso, mas, por enquanto, consideramos a vitória. O público percebeu que vilões sempre serão vilões e que é preciso conversar e aceitar o outro antes de qualquer coisa.

Por fim, precisávamos de um gancho ainda maior para a quinta temporada e descobrimos que Eve não estava sozinha ao apoiar Lex, estava trabalhando para o Leviatã. Nos quadrinhos, Leviatã é uma organização criminosa obscura que cria superhumanos genética ou cirurgicamente.

Como se não bastasse o novo vilão, surge outro: um marciano querendo se vingar de J’onn, possivelmente o irmão dele, trazido pelo Monitor, que apareceu no crossover Elseworlds. Ele, que age sem fazer muito sentido ajudando e atrapalhando nossos heróis, não só traz o tal inimigo marciano como parece usar seus poderes no corpo de Lex. Isso com certeza é um prelúdio do próximo crossover. Será que veremos Lex de novo por lá?

O melhor

  • Cortes e paralelos das lutas entre James e Ben, Supergirl e Lex.
  • Brainy voltando a seu eu antigo ao ver Nia e J’onn se sacrificando.
  • Red e Kara se unindo contra Lex.
  • Lilian e Lena contra Lex, com adendo do final. Damn, girl.
  • Alex dando o próximo passo com Kelly.
  • A NOVA GERAÇÃO, AKA FILHO DO BEN, UNINDO AS PESSOAS, AMÉM.

O pior

  • Todo mundo sabia que o Clark tinha ido para Argo? Caramba, Clark, para de ficar contando esse tipo de coisa.
  • Como Lex teria tantas imagens da Kara usando seus poderes??
  • Não aguento ver Lena assim. Para de pedir conselhos e só conta logo, Kara!!

Nota 9,3

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *