Review: Supergirl 4×17 – “All About Eve”

Atenção: A resenha abaixo contém spoilers do episódio “All About Eve”, exibido no dia 31/03/2019.

Continuamos na luta contra Lex. No entanto, se no 4×16, ele era protagonista, nesse episódio ele se torna uma sombra. Sempre presente, mas sem aparecer de verdade. Supergirl começa a perceber o tamanho do vilão.

Claro, sempre soubemos que Lex era um forte oponente para Clark, mas ele chega com força no universo de Kara. Começamos então com Lena sendo encontrada desmaiada e Alex descobrindo tudo que aconteceu por meio de uma carta de Lex. Um manobra bem didática dos escritores revelarem os planos Lex para o resto dos personagens.

É assim que o DEO e Kara sabem que Eve está trabalhando para Lex e se torna o objeto de investigação deles, sendo o “elo fraco” no esquema do vilão que podem tirar proveito. Apesar da votação contra o acolhimento dos refugiados aliens estar tomando recursos do governo, Alex consegue se juntar com a Supergirl para ir atrás de Lex.

Por que J’onn não se juntou às duas? Bom, ele está com seus conflitos internos para resolver. Como sabemos, ele prometeu ser um “homem de paz” ao pai e, ao perceber que não poderia ser isso, fica com medo de perder sua identidade.

Por ser um metamorfo, o buraco é mais embaixo. Estar confuso quanto sua identidade pode levar a seus poderes falharem e esquecer de sua verdadeira forma, junto com suas memórias e sua cultura. Seu pai ter repassado todo aquele conhecimento para manterem a memória dos marcianos seria para nada.

Então, seu plano é usar seus poderes para contactar seu pai e assim conseguir alguns conselhos. M’yrnn aparece, mas não do jeito que ele imaginava. Eles podiam se tocar e J’onn pôde matar um pouquinho a saudade.

Adorei poder vê-lo de novo, ainda mais com sua natureza meio brincalhona e até irritante. Irritante para J’onn que estava cada vez mais frustado com o pai, não para a gente. M’yrnn chega tirando os símbolos de Marte que foram dados para J’onn e por um bom momento ficamos confusos.

No entanto, com o passar do tempo, M’yrnn finalmente faz J’onn perceber o que já sabíamos: J’onn nunca deveria ter tentado se tornar seu pai, ele deveria ser “um homem de paz” sendo verdadeiro consigo mesmo.

A revelação de J’onn com seu grito de raiva “eu sou um Martian Manhunter” soou pouco natural, mas a mensagem foi clara: J’onn J’onzz assumiu de vez seu apelido dos quadrinhos e sua identidade como guerreiro.

Apesar do alívio de se redescobrir, J’onn continua não sendo “digno” de seguir com os símbolos de Marte e preciso levá-los de volta para que fiquem dormentes até encontrarem alguém que fique com eles. Só esperemos que a viagem não tenha suas surpresas, mas ele bem que podia ter avisado para Kara para onde vai.

Por falar na nossa heróina, Kara e Alex ganham uma adição maravilhosa ao seu grupo investigativo: Lena. Em sua visita à mãe na prisão, Lena descobre que Eve está apaixonada por Lex. Isso e algumas histórias que Eve contava, fazem o trio se juntar para questionar uma parente doente de Eve sobre ela.

A questão é que, quando chegam, a mulher está bem e os trata como uma anfitriã perfeita. A saúde da mulher poderia indicar mentiras da parte de Eve, mas não demora para perceberem que Eve usou a cura de Lena na mulher.

O que significa que ela esteve ali já como fugitiva. Com o dom de inspirar as pessoas, Kara consegue fazer a mulher ajudá-las. Eve tinha um esconderijo secreto, quem sabe não está lá?

O esconderijo, apesar de vazio, ajuda o trio de muitas maneiras. Uma delas é que elas descobrem que Eve deve ter atirado em James, Otis voltou à vida como cobaia do “protocolo metallo” (que envolve kryptonita) e que talvez esses eventos signifiquem que Lockwood esteja envolvido com Lex.

No entanto, mais importante que tudo isso, na minha opinião, foi a outra maneira que o laboratório as ajudou: Supergirl descobre que Lena estava mexendo com Harun-El. A coisa toda é um assunto delicado e Kara se sente ofendida imediatamente… E é assim que percebe que deveria perdoar.

Achei muito bom falarem da influência que a ida de Clark para Argo City teve em Kara. Supergirl sempre teve, de fato, o peso do mundo nas costas e ele só aumentou. Assim como Lena mentir porque sabe como as pessoas podem destorcer suas intenções seja por seu nome ou por seu estudo, a ameaça que Kara sente é mais emocional do que outra coisa.

Racionalmente, ela é amiga de Lena e sabe que a amiga é boa, então não teria porque ela não dar o benefício da dúvida à Lena, mas sua responsabilidade e medo de não poder cumpri-la sempre a preocuparam.

Acho que Kara podia ter falado para Lena como esconder as coisas não exatamente ajudou o processo de confiança, mas eventualmente elas teriam que quebrar esse ciclo e alguém teria que ter fé na outra. Kara escolheu parar com as brigas.

Foi a melhor cena do episódio, um momento que estávamos esperando. Isso me tranquiliza que, quando a hora chegar de Lena descobrir a verdade de Kara, elas estarão com uma relação melhor. Ainda dá tempo de contar.

Esse momento incrível vem com um não tão assim. Depois de serem atacadas por um Metallo 2.0, o trio decide se separar. Lena vai para a prisão conseguir mais informações da mãe e Kara vai para Washington questionar Lockwood.

A votação da revogação da anistia para aliens é aprovada, o que significa que muitos aliens terão seus direitos perdidos. É aí que a Red Daughter finalmente ataca. E Kara não consegue fazer nada sobre isso, já que Eve a prende na armadura de Lex.

Para os olhos do mundo, a cena é clara: Supergirl está revoltada com a perda de direitos dos aliens e ataca a Casa Branca, tornando-se inimiga número 1 do presidente e do país.

Se tem uma coisa que me deixa nervosa é enredos com pessoas se passando pelas outras. Todos sabíamos que ia acontecer, mas continua sendo bem incomodo. Felizmente, algumas pessoas conhecem a Supergirl demais para acreditar nessa história. E Alex e Lena são duas dessas pessoas. E ainda falam que vão ajudá-la a desvendar esse mistério.

ESTOU MUITO FELIZ COM ESSE TRIO.

Apesar da ter vencido, Ben fica meio confuso quando percebe que estava sendo manipulado e nem tudo que conseguiu foi por mérito dele. Não posso dizer que fiquei triste com essa mexida no ego dele. Fico esperando por mais, rs.

Por fim, temos um subplot de James e sua irmã. Ainda sendo introduzida à série, Kelly fazer o irmão perceber que o trauma que sofreu (além de ter a oitava vez que Lex o atacou) e procurar a ajuda de psicólogos sem muito sucesso.

Ele parece estar bem e até achei que o estresse dele podia ser algum indícios de poderes, mas quando James descobre que Eve foi quem tentou o matar, tudo vai por água a baixo. Enquanto Red Daughter ataca a Casa Branca, James tem um ataque de pânico. É assim que decide pedir para Kelly ficar mais tempo na cidade.

O melhor

  • Lena, Alex e Kara trabalhando juntas foi a melhor coisa que aconteceu. Kara, digo, Supergirl e Lena se perdoando então… <3
  • J’onn finalmente aprendendo o que sabíamos.
  • Não consigo não falar que Lex está se mostrando um grande vilão.
  • Revelação da conexão entre Lockwood e Lex.

O pior

  • Red, minha filha, volte a ser empática, por favor!
  • Algumas inconsistências, como a falta de naturalidade de J’onn gritando seu apelido como se fosse um termo supercomum.

Nota 9,0

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *