Review: Legends of Tomorrow 4×16 – “Hey, World!” [Season Finale]

Atenção: a resenha abaixo contém spoilers de “Hey, World!”, exibido no dia 20/05/2019.

Nossos Legends voltaram e, na luta contra Neron e Tabitha, encontram, assim como em Supergirl, um inimigo invisível difícil de lutar: o medo. Charlie é usada pela dupla de vilões para fazer as pessoas desconfiarem uma das outras, com medo de que qualquer um pode ser um monstro. 

Assim como os Legends foram aprendendo ao longo da temporada, o que chamavam de monstros poderiam ser apenas criaturas mágicas mal compreendidas e marginalizadas. Felizmente, eles não demoram para salvar Charlie, mas, com o estrago feito e o caos instalado, eles precisam criar um plano para rebater esse medo. 

O sentimento, apesar de já causar danos por si só, está sendo usado por Neron para “energizar” a abertura de seu portal para o inferno, o que torna tudo muito pior. Seu plano não é simplesmente dominar a alma das pessoas no inferno e sim trazer o inferno para a Terra e reinar esse mundo de cima, o que faz sentido. E acaba tornando a coisa toda do aplicativo apenas uma distração.

A solução para o problema de verdade é fazer as pessoas não sentirem medo dessas criaturas. Como? Uma boa pergunta. É só quando Zari revê seu eu-criança ficou popular com os amigos ao mostrar seu bebê dragão que Nate tem a ideia: construir Heyworld como forma de inspirar as pessoas a confiarem nessas criaturas. Afinal, elas são mágicas e quem é que não gosta de magia? Tenho certeza que a Disney venderia isso muito bem. 

Tudo parece “simples”, apesar de ainda não saberem como convencerão as pessoas. Sendo escritor, Rory fica responsável pelo roteiro do show, Sara fica responsável pela divulgação e Nate fica responsável de criar o parque.

Para acelerarem a construção do parque de diversões, usam o livro mágico do 4×05. (Charlie, inclusive, se transforma no polvo gigante desse mesmo episódio). Além disso, se no 4×07, Ava e Rory aprenderam a se tolerar, agora Ava até beija ele na bochecha. São esses e outros elementos que mostram como o finale foi muito bem construído. Sem contar com a participação de Vandal Savage que encontramos por aí.

Onde, você pergunta? No inferno, claro. Apesar do pedido fora do ideal de Gary, Nora consegue encontrar Constantine facilmente. A parte difícil é encontrar Ray. Nora não só não pode usar sua mágica para isso e as almas são moedas, ficando presas no cofre de quem as coletou, o que é um conceito interessante. 

Para roubarem o cofre do Satã, Astra volta à série para ajudá-los. Por “ajudá-los” quero dizer que fazem um acordo em que é convencida que também ganharia com isso. A decisão é zero emocional. 

Por mais que dê para perceber o quanto gostaria de dar alguma explicação que fizesse sentido por ter abandonado Astra ali, não adianta. Ele não tem e ela não ouviria. O plano até que corre bem. Depois de alguma persuasão, conseguem entrar no cofre e pegar a moeda com a alma de Ray. 

De lá, vão para a ala das torturas e, como Legends of Tomorrow é ótima nisso, somos induzidos a pensar que Ray está sofrendo quando só está jogando Jenga. Não só isso como está jogando com Savage, que de torturador virou bom ouvinte. 

A surpresa vem com um reencontro ótimo entre Nora e Ray, em que finalmente descobrem como Neron conseguiu que Ray o entregasse sua alma. Com o trio reunido, a missão de Nora parece ter se cumprido, mas não é tão fácil. Ray volta em forma de moeda, já que seu corpo ainda está com Neron. 

Eles precisam derrotá-lo e Constantine tem um plano que Sara não gosta muito: se Neron descumprir seu acordo com Ray (de não machucar Nate), Neron terá que sair do corpo de Ray e assim poderão destruí-lo. O único problema é que, para isso, Nate teria que morrer.

Assim que ouvi essas palavras, estava certo, eles, no mínimo, iam tentar matar o Nate. Os problemas só se acumulam quando Zari descobre que seu futuro mudou, Heyworld significará que seu irmão sobrevive, ela não rouba o totem de seus poderes e não se junta aos Legends. 

Se por um lado, é ótimo que sua família esteja intacta – ainda mais quando sabemos o quanto ela tentou que isso acontecesse. Por outro lado, Zari corre o risco de esquecer de todos se estiver no presente enquanto a linha temporal mudar. 

Vou logo falar que não gostei nada de brincarem assim com a Zari. E o Nate, diga-se de passagem. Ele já sofreu com a Amaya quase a mesma coisa – efeitos da linha temporal e etc. Ficou parecendo que criaram esse romance só para brincar, de novo, com os personagens. 

Tudo bem, as coisas nem estava tão ruins. Era só a Zari ficar no Waverider, certo? Era só Constantine e Nate seguirem o plano de Heyworld, certo? HA. O destino riu na nossa cara. E os escritores também. 

O show de talentos que os Legends criam no parque de diversões acaba soando ensaiado demais. As pessoas acham chato e não chama atenção. É então que o dragãozinho da mini-Zari reaparece dominado por Tabitha e a luta começa. Eu até achei que iriam fazer o público achar que era tudo ensaiado no final, mas não – as pessoas ficam assustadas. Ava tenta esvaziar o local, mas não conseguem. 

Gary está inconsciente, Nora não pode usar seus poderes. Sara é salva pela mini-Zari, Tabitha é derrotada. Neron está abrindo seu portal para o inferno e… Constantine aparece. Ele fala para resolverem entre eles e Neron… mata ele. Só que não é ele, é Nate. E a coisa fica mais séria do que esperávamos e nesse momento não consegui nem ficar triste.

Além de ser bem pouco característico da série, não dava para acreditar. Os termos do acordo entre Neron e Ray eram que Neron não poderia machucar o Nate, não? Essa é a palavra que ele usa. Será que não seria uma brecha a ser explorada? Porque ninguém pensou nisso ao invés de se matar assim?

Para agravar a situação, Zari vê tudo acontecendo e decide ir até eles, mesmo sabendo que sua memória logo seria apagada. E foi aí mesmo já estava xingando os escritores. A notícia boa é que eles tentam remendar a situação. 

Assim como Beebo precisou de trabalho em equipe e mãos dadas, esse finale também precisou. Para salvar Nate, precisam cantar e se unir, transformar esse amor e irmandade em energia para revivê-lo. E dá certo! Essa pseudo-morte dele acaba servindo de um ótimo pretexto para ver filho e pai se reencontrando, com Hank dizendo que tinha fé que Nate iria continuar seu trabalho.

A fofura da cena e a reviravolta do episódio, no entanto, não impedem coisas ruins de acontecerem. Zari acaba desaparecendo e seu irmão fica em seu lugar. EU ACHO BOM RESOLVEREM ISSO. Mas, não sei, Zari pode ser mais uma das integrantes que passaram pela série e foram embora. Não é tão ruim quanto o Nate morrendo, porque pelo menos ela voltou a ter sua família, mas estamos sentindo um tipo diferente de perda.

Ah, e o próximo vilão? Bom, parece que será Astra e seus personagens históricos maléficos. Se notarmos os nomes das moedas/almas que ela roubou, podemos ver Calígula (tirano louco romano), Stalin, Mary Tudor e Genghis Khan (imperador do império Mongol, que, inclusive, já apareceu como amigo do Savage).

O melhor

  • Adorei os pequenos elementos da temporada.
  • Os Legends mencionando que não estavam no crossover. (E olha que o Monitor aparece ao fundo, rs)
  • Oportunidade da volta do Hank e reviravolta.
  • Nora presa ao Gary, lol.

O pior

  • DAMN IT, DEVOLVAM A ZARI.
  • Senti falta de um gancho mais forte com a próxima temporada.
  • Eu sei que não temos verba, mas não finjam que só tinha meia dúzia de criaturas mágicas no Time Bureau. Não é possível. 

Nota 8,5

3 respostas para “Review: Legends of Tomorrow 4×16 – “Hey, World!” [Season Finale]”

  1. Foi um bom final de temporada. Apesar de que para mim não teve o mesmo impacto do final da terceira. Nora da fada madrinha foi muito divertido e isso ainda promete muitas risadas.
    Achei muito engraçado aquele comercial caseiro para o parque e a referência ao crossover. Ter o Monitor ali no fundo, mostra que tudo o que aconteceu no crossover e nos finais de Flash e Arrow vão ter um grande impacto nas lendas.
    Foi muito boa a temática do John lá embaixo, se bem que ele é um personagem muito top. Que espero que esteja na próxima temporada.
    Foi muito mais muito injusto o que fizeram com a Zari e o Nate e com os fãs que como eu shippam muito esse casal. Os escritores tapearam nós e o Nate. Parece que toda pessoa especial que ele encontra vai ser levada pelas mudanças temporais. Tomara que arranjem um jeito de trazer a Zari de volta, um personagem tão bom e com tanto potencial não pode ir embora assim.
    Assim que vi o Nate morrer fiquei sem conseguir acreditar que eles teriam a coragem de fazer isso. Mas, daí trazer ele de volta com uma canção carregada de amor e um bastão de magia, é um pouco de apelação! Até porque ele não se machucou, ele MORREU! Para mim, eles só queriam uma solução rápida para a morte dele, talvez se ele tivesse realmente morrido, teria trazido um sentido melhor para as coisas. E aí trariam ele de volta na próxima temporada com a ajuda do Jonh é claro. O plano do Neray era bom. Ver o Savage de novo foi uma surpresa! Ainda mais com o Ray.
    Senti falta de um final mais digamos “explosivo” e uma morte mais impactante do Neron.
    Realmente o gancho para a próxima temporada não é super instigante, mas significa que as lendas vão continuar lidando com a magia e protegendo a história dela. Foi uma temporada muito boa! Com vários episódios ótimos!

    1. Obrigada pelo comentário! Estranho a gente falar que uma quase-morte não foi impactante, mas concordo. Inclusive, achei que o mid-season (4×08) bem melhor. Quanto à canção, talvez tenha sido meio breguinha, mas Legends é bem assim mesmo, rs. Nem me surpreendo. Quiseram colocar foco na possível morte do Nate mesmo e, de fato, a destruição do Neron pareceu pequena.

      1. Obrigada por ter respondido. Concordo que a midseason foi bem melhor. Mas, é como vc disse é Legends então até que dá para aceitar.
        Esqueci de dizer o primeiro comentário kkk adorei a review!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *