Review: Agents of SHIELD 6×10 – “Leap”

Atenção: a resenha abaixo contém spoilers do episódio “Leap”, exibido no dia 19/07/2019.

Preparem-se para um episódio cheio de explicações e fortes emoções. Como já esperávamos, May parece ter matado Sarge, mas nada disso é de verdade. Sarge não morre, apesar dos sei lá quantos tiros em seu peito, assim como May não é de fato a culpada.

Fiquei muito feliz de ter percebido que Davis estava fora de si, então daí para Izel possuir May não foi tão difícil de adivinhar. Nossos personagens até que agem rápido, porque tudo na situação de May atirando em um prisioneiro, por mais que o odeie, é estranho demais para ser real.

É assim que Daisy e Yoyo entram em jogo. Interrogando May possuída e não-possuída já começa a causar estranheza, depois é uma cascata de pessoas aparecendo machucadas e esquecendo partes do dia. Admito que achar estranho que Davis estava esquecendo coisas quando parecia ter bebido todas pode parecer não fazer sentido, mas, como Jemma mesma disse, as coisas nunca fazem sentido mesmo – o time está acostumado a ver os sinais.

Com o tempo, fica claro que Izel está possuindo pessoas e vem a segunda complicação: como descobrir quem é ela. O clássico “conte um segredo para provar quem você é você” entra em jogo e os escritores brincando muito bem conosco, já que acreditamos saber que Izel está escondida em Deke quando ela foi para Fitz sem nem percebermos.

As cenas a partir daí são um efeito dominó fantástico com Izel passando de pessoa a pessoa. Ela quer entrar em uma porta que só Diretor da Shield consegue e, mesmo já sabendo que é Mack, ela faz questão de brincar com os sentimentos da gente e dos personagens.

Apesar da cena visualmente atraente, as consequências são o oposto disso. Izel começa atirando na mão de Piper para mostrar seu poder sob todos ali, mas, achando que não é suficiente, ela decide pegar Davis e… matá-lo. Mesmo sendo uma altura baixa, ele cai de cabeça e não conseguem salvá-lo.

Eu realmente não esperava que fossemos perder alguém agora. Claro que, entre os personagens, ele e a Piper pareciam ser os que tem mais risco de vida, mas isso não significa que a gente queira que eles morram. Foi bem triste e repentino. E Izel acaba conseguindo o que queria: leva Mack até uma sala misteriosa.

É lá que ela encontra Sarge, já recuperado e doido para matar a vilã. Ele até tenta, mas ela também não morre tão facilmente.

Izel, em um discurso bem didático, nos conta mais sobre Coulson, Sarge e confirma a teoria de Fitz. Apesar de todos terem achado que um dos monolitos abriu uma dimensão com os medos de cada um (5×12), ele controlava a criação. O que significa que tudo que pensavam e, de fato, tinham medo, na verdade era criado e dado forma pelo monolito.

Sendo assim, Coulson, que ficou responsável por levar o gravitonium ali para fechar essa “dimensão”, teve seu corpo copiado e levado para o mundo de Izel no passado – a união dos três monolitos. Que mundo era esse? Bom, Izel não tinha forma, assim como ninguém de seu planeta. Quando essa cópia de Coulson chegou lá, alguém que conhecia e muito provavelmente amava habitou esse corpo.

E os detalhes não param por aí. Ela quer o gravitonium com a energia dos três monolitos para possibilitar que todos de seu planeta ganhem forma. A a dúvida fica: por que Izel parece ser a única que conseguiu ganhar forma? Ela mesma diz que teve a coragem de fazer isso depois de Sarge surgir, isso significa que ela sempre conseguiu? Por que só ela? Se ela dá vida aos shrike, por que não pode ajudar seu povo com seus poderes? E por que ela precisa criar os shrikes para “reservarem” corpos quando ela poderia só criá-los quando tivesse os monolitos em mãos?

São muitas perguntas e nem sei se os escritores vão responder, talvez só tenhamos que assumir que os poderes dela têm suas limitações e que o monolito precisa de algum ponto de partida em suas criações. De qualquer forma, é sempre bom ter esperanças.

A verdade é que a cena teve muita informação. São muitos detalhes e conexões que precisam ser desenvolvidas, e adorei como conectaram esse enredo com a quinta temporada! Só consigo imaginar os criadores voltando a série toda, tentando encontrar pontos que pudessem explorar. E não é que acharam?

Não só isso como voltamos a mencionar o Motoqueiro Fantasma e abriu um novo leque de possibilidades que nem parecia ter. Seria o “diabo” que possuía Robbie simplesmente uma pessoa com os mesmos poderes de Izel? Será que, de alguma forma, o acordo entre ele e Coulson tenha a ver com esse enredo também? Afinal, Coulson pode ter vendido sua alma e, com uma cópia sua andando por aí, possui-lo é quase a mesma coisa.

O verdadeiro nome de quem está dentro de Sarge é Pachakutik, que significa em quéchua, um movimento na Terra que trará uma nova era. Apesar de sentir falta da pessoa por baixo dessas camadas em Sarge, Izel solta que esse algo que está dentro dele é a única coisa que pode derrotá-la – o que me faz pensar porque ela não o levou como refém, mas vai entender esses planos.

Foi bem interessante vermos tanta dualidade em Sarge. Ele é de fato uma parte de Coulson, uma parte que tinha uma família e amigos que amava, uma parte que quer vencer o mal e libertar as pessoas. Ainda assim, ele tem tanto dentro dele, que também existem partes desagradáveis e com morais duvidosas. No fundo, ser humano é isso, nada é tão simples. Acho que as revelações nos fazem perceber que, de certo modo, Sarge não é tão vilão assim ao mesmo tempo que pode virar um grande vilão a qualquer momento.

Legenda escrita: “Eu roubei uma caneta” / Legenda real: ELE ERA UMA PRECIOSIDADE, por que fizeram isso!!

Apesar de tantas clarezas, terminamos o episódio bem derrotados. Davis se foi, muitos estão machucados, Sarge não faz quase nada para deter Izel, Daisy e Yoyo chegam só para confirmar a teoria de Mack que Izel iria possuir uma delas e roubar seus poderes, o que permite que Izel de fato fuja com o corpo de Elena e ainda leve Mack.

Vou admitir que fiquei meio irritada com o fato de Yoyo e Daisy terem se demorado não só para chegar lá quanto para entrar na sala e tentar impedir Izel. Era mais fácil ter deixado a May ir.

O melhor

  • Daisy falando que ajuda a irmã do Lincoln, FEELS.
  • Deke preocupado com sua relação com Fitz <3
  • Parabéns aos escritores por pensarem em conexões com outras temporadas!
  • SARGE É UMA PARTE DO COULSON.

O pior

  • Ainda quero entender como Izel veio desse mundo sem forma e conseguiu todos esses poderes.
  • Argh, Daisy e Yoyo ouçam o Mack na próxima.
  • DAVIS! Ele tinha um filhinho, cara.

Nota 8,8

Uma resposta para “Review: Agents of SHIELD 6×10 – “Leap””

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *